Mês Mundial de Conscientização da Endometriose: A importância do diagnóstico precoce

Endometriose é um problema sério, mas tem tratamento. E nesse mês de março, Mês Mundial de Conscientização da Endometriose, nada melhor do que saber mais sobre a doença que atinge cerca de sete milhões de mulheres no país, segundo a Associação Brasileira de Endometriose. Os avanços da medicina vem ajudando muito ao longo dos anos, mas para Diogo Rosa, coordenador do Centro de Ginecologia da Perinatal, o mais importante é o nível de esclarecimento das mulheres sobre o assunto.

– Se eu puder destacar o principal avanço, destacaria justamente a maior informação e a divulgação da doença como um todo, conscientizando e facilitando o entendimento das pacientes que atualmente procuram o ginecologista no momento em que percebem que algo não está normal. Desta maneira, diagnosticamos a doença de forma precoce, auxiliando bastante a adequação do tratamento da endometriose, que, se  diagnosticada tardiamente, pode trazer danos  desnecessários.  Por isso a importância dessas campanhas de conscientização – avalia o ginecologista.

Uma das principais preocupações de mulheres que sofrem de endometriose é em relação à maternidade, pois a doença é uma das causas de infertilidade feminina. O endométrio é o tecido que reveste a parte interna do útero e que é eliminado por meio da menstruação. A endometriose acontece quando o endométrio, tecido que reveste a parte interna do útero e é eliminado por meio da menstruação, cresce em outros órgãos, fora da cavidade uterina, como ovários e pelve. Inflamações e as consequentes cicatrizações acabam afetando o funcionamento das trompas, e mesmo a qualidade do óvulo e do espermatozoide.  A gravidez, no entanto, é possível.

– Quanto mais precocemente diagnosticarmos a doença , maior a chance de preservação da fertilidade – afirma Diogo Rosa.

Em termos clínicos, o médico ressalta a maior variedade disponível de tratamentos para a endometriose:

– Existe um arsenal maior de opções de  terapia hormonal e medicamentos para controle da dor.  A abordagem cirúrgica está cada vez mais avançada, com um maior entendimento da doença e padronização da técnica cirúrgica, associada com uma visão de equipe multidisciplinar, além do aparecimento da cirurgia robótica , que auxilia nos casos mais avançados da doença.  Em relação aos métodos diagnósticos,  a ressonância magnética e a ultrasssonografia transvaginal com preparo de cólon, realizados por médicos com experiência,  têm mapeado de maneira bastante efetiva a doença, permitindo ao médico ginecologista, em conjunto com a sua paciente, indicar a terapia adequada ao seu caso individualmente .

O problema é que, muitas vezes, esse diagnóstico é tardio, pois os sintomas de endometriose se confundem com os que normalmente aparecem no período menstrual. Muitas mulheres só descobrem a condição quando tentam engravidar e não conseguem. Um estudo brasileiro apresentado no Congresso de Endometriose, em 2008, apontou que o período entre o início dos sintomas e o diagnóstico é de aproximadamente sete anos. Quando a queixa começa no início da adolescência, esse intervalo pode aumentar para doze anos. Não se sabe ao certo, ainda, se a doença tem cura. Mas Diogo Rosa ressalta que os avanços no controle da doença são significativos.

–  A maioria das pacientes consegue um controle bastante adequado da doença, tanto em termos de dor quanto em termos de fertilidade. Mas existem os casos mais complexos, que demandam uma atenção maior.  Ao que se refere ao tratamento medicamentoso, este pode ser suspenso sim, mas cada caso deve ser discutido individualmente com o especialista. Resumindo, a endometriose é uma doença bastante complexa, com inúmeras formas de apresentação e que deve ser avaliada de forma bastante individual. É uma patologia na qual evoluímos muito em termos de tratamento, principalmente na última década , e quanto mais divulgarmos a doença , maior sucesso teremos no seu tratamento – destaca.

Referência no tratamento e diagnóstico da doença, o Grupo Perinatal vem trabalhando para ajudar mulheres que sofrem de endometriose a realizar o sonho de ser mãe.  Casos como de Tamires Lima, que passou 14 anos com a doença até iniciar tratamento com o Dr. Diogo Rosa. “Eu tirei todas as dúvidas quanto a cirurgia, que foi mais rápida do que o esperado, e claro, um sucesso. Continuei o acompanhamento  e logo após o pós-operatório, iniciei o tratamento para engravidar. Descobri minha gravidez no sexto e último mês do tratamento. No dia do meu parto, ainda contei com a felicidade e encontrar o Dr. Diogo, e só pude agradecer por tudo”, comemora a mãe do Bernardo, nascido

Fonte: Quem Coruja | http://bit.ly/2SHSBbh

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: